Antes do Juventus-Bolonha desta quarta-feira, surgiu uma pequena tarja na bancada do Allianz, com um adepto bianconero a fazer um pedido a Cristiano Ronaldo em português. Mas alguma coisa se terá perdido na tradução na última palavra...

"Cristiano: Você podia me dar sua camisa. Para favorecer", lê-se no cartaz, onde se vê que a tradução não correu bem e que está em português do Brasil.

O internacional português demorou a arrancar nos golos pela nova equipa mas, desde que começou a faturar, ainda não parou. Procurava agora, de regresso à casa da vecchia signora, onde se estreou nos golos com um ‘bis’ frente ao Sassuolo, apontar o quarto remate certeiro da época.
Mas foi de outro português, João Cancelo, que primeiro se falou no encontro. O lateral surgiu a titular, mas na faixa esquerda(fazendo descansar Alex Sandro), e foi dos seus pés que surgiu a primeira oportunidade da formação de Turim. O antigo jogador do Benfica e do Valência fletiu da esquerda para dentro e disparou forte, para defesa de Skorupski.

Foi só o primeiro aviso de uma entrada a todo o gás que se traduziu em números pouco depois. Paulo Dybala — que foi, novamente, companheiro de ataque de Cristiano Ronaldo — surgiu oportuno na recarga a um remate de Matuidi e inaugurou o marcador. Ainda estava o Bolonha a pensar como esboçar uma reação e já Matuidi estava lá para, desta vez, não perdoar. Cristiano Ronaldo assistiu o francês para o 2-o que sentenciou a partida aos 16 minutos.

A equipa visitante tentou, a espaços, contra-atacar, mas as jogadas perdiam-se antes mesmo de se concretizarem. Para a Juventus, estava conseguido o mais importante: garantir a vitória que permitia manter a vantagem de três pontos sobre o Nápoles (que derrotou o Parma por 3-0 esta noite) antes da receção aos napolitanos, na próxima jornada.


Fonte: Record.pt
Crédito da foto: Google