Cada dia que passa, parece que as coisas estão mais complicadas para Cristiano Ronaldo. O craque até já veio falar, nesta quarta-feira, sobre o caso, servindo-se das redes sociais, para alegar a sua inocência.

Pela primeira vez, o internacional português sente que o cerco está a apertar-se e, talvez por isso, ele queira provar-se inocente. No entanto, as provas de Kathryn Mayorga, a alegada vítima de violação, parecem cada vez mais fortes.

A jovem diz ter sido forçada por Cristiano Ronaldo à prática de sexo anal, na madrugada do dia 13 de junho de 2009 e, um dia depois, ela apresentou queixa na polícia e esteve duas horas no hospital a ser assistida.

Nessa assistência, a jovem americana teria sido examinada e tratada, mas as provas foram todas confirmadas. Fizeram testes de ADN e até fotografaram os alegados maus tratos, e "inchaço na zona do ânus com hematoma e uma laceração", ferimentos supostamente provocados pela violação, da qual Cristiano está a ser acusado.

Ou seja, neste momento, e apesar de já se terem passado nove anos, Kathryn Mayorga tem nas suas mãos e da polícia provas de ADN e fotos das lesões da suposta violação. Caso se confirme que o ADN é mesmo de Cristiano, as coisas podem ficar muito complicadas para o internacional português.

Entretanto, o português recorreu ao Twitter para falar com os fãs: "Nego terminantemente as acusações de que sou alvo. Considero a violação um crime abjecto, contrário a tudo aquilo que sou e em que acredito. Não vou alimentar o espetáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa. Aguardarei com tranquilidade o resultado de quaisquer investigações e processos, pois nada me pesa na consciência".

Fonte: Record.pt
Crédito da foto: Google